Projetos

Todos anos tentamos na APPDA Lisboa melhorar a qualidade vida e proporcionar novas experiências aos nossos utentes e ainda aumentar a abrangência do nosso apoio, promovendo atividades para toda a comunidade. Para desenvolver novos projetos, procuramos financiamento junto de diversas entidades.

Pode consultar aqui alguns dos projetos em curso e projetos de anos anteriores.

2020

Banda APPDA Lisboa

Pessoas a cantar

“ Band'Autismo”

Confinanciado por: Prémio BPI “la Caixa” Capacitar 2019
Parceiros: Torke CC e Xutos & Pontapés

Objetivos do projeto:

- Criar uma imagem e nome para a banda da APPDA Lisboa, constituída por pessoas com autismo, promover o seu crescimento e preparar toda a logística necessária para iniciar uma digressão nacional;
- Promover a empregabilidade e estabelecer parcerias;
- Aumentar a auto-estima dos elementos da banda.

Podem conhecer os resultados neste projeto na secção deste website dedicada à nossa banda, os The Ziguais.

2019

Renovação do Espaço Exterior do EEE da APPDA 
Em 2019 a APPDA Lisboa lançou uma campanha de Crowdfunding, com vista a angariar dinheiro para melhorar o espaço exterior do EEE.

O projeto foi executado durante o mês de Fevereiro de 2020.

2018 

  • Sabores e Aromas da Ajuda” ( Projeto nº 451/2018 )
    Confinanciado por: Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. em 201

    Objetivos do projeto:
    - Criar uma oficina de Culinária que aumente o leque de atividades terapêuticas, ocupacionais, formativas e de inclusão.
    - Criar um currículo inclusivo que proporcione aprendizagens adequadas, de acordo com o nível de funcionalidade.
    - Rentabilizar a produção hortofrutícola da estufa e do jardim de aromas.
    - Desenvolver a autonomia na confeção, quer na associação, quer no contexto familiar.
     
  • Saúde para Todos” ( Projeto nº 457/2018 )
    Confinanciado por: Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. em 2018

    Objetivos do projeto:
    - Desenvolver um projeto de dessensibilização sistemática para pessoas com PEA-Perturbações do Espectro do Autismo que antecipe o que vão encontrar nos serviços de saúde e que os habilite a lidar com as     solicitações.
    - Criar protocolos específicos para atendimento de pessoas com PEA nos serviços de saúde.
- Capacitar profissionais.
    - Criar e divulgar o “Guia de cuidados para as pessoas com PEA nos serviços de saúde”.
     
  • "Toca a Mexer" ( Projeto nº 461/2018 ) 
    Confinanciado por: Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. em 2018

    Objetivos do projeto:
    - Instalar aparelhos de fitness nos jardins da APPDA-Lisboa.
    - Promover a prática regular de exercício físico ao ar livre por parte dos utentes da APPDA-Lisboa.
    - Criar um espaço de lazer para os alunos do Estabelecimento de Ensino Especial.
    - Promover a autonomia dos utentes da APPDA-Lisboa na gestão dos seus tempos de lazer.

2017

  • "Preparem-se para o trabalho" ( Projeto n.º 157/2017 ) 
    Confinanciado por: Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. em 2017
    Parceiro: FPDA – Federação Portuguesa de Autismo

    Objetivos do projeto:
    -Implementar e desenvolver oficinas de capacitação, no âmbito da música, psicomotricidade e expressão plástica, para crianças e jovens  com Perturbações do Espectro do Autismo, permitindo-lhes uma inclusão social mais efetiva.
     
  • "Apoio certo para mim" ( Projeto n.º 158/2017 ) 
    Confinanciado por: Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. em 2017
    Parceiro: FPDA – Federação Portuguesa de Autismo

    Objetivos do projeto:
    -Criar uma bolsa de voluntariado com apoio personalizado, promovendo respostas sociais inovadoras e inclusivas que visem a melhoria da qualidade de vida das pessoas com deficiência e suas famílias.
     
  • "SOS Transporte amigo" ( Projeto n.º159/2017 )
    Confinanciado por: Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. em 2017
    Parceiro: FPDA – Federação Portuguesa de Autismo

    Objetivos do projeto:
    - Melhorar a qualidade de vida no transporte de emergência de pessoas com Perturbações do Espetro do Autismo (PEA).
     
  • “Projeto Mão2”
    Parceiro: BNP ParibasO BNP Paribas e os seus fantásticos voluntários prestaram apoio ao alargamento do espaço do estabelecimento de ensino especial da APPDA-Lisboa.

2016 

  • "Brinco, Aprendo e Sou Capaz" (Projeto nº 696/2016)
    Confinanciado por: Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. em 2016

    Objetivos do projeto:
    - Dar a oportunidade de participar num espaço de estimulação para a tecelagem e para atividades de expressão plástica a crianças (a partir dos 8 anos) e jovens com Perturbações do Espetro do Autismo (PEA), acompanhadas pelos seus pais ou outros familiares. 
    - Oficina de Tecelagem - o trabalho desta oficina está preparado e organizado de forma a promover o desenvolvimento da motricidade fina e da motricidade grossa, bem como a concentração e a autonomia. Pretende-se, sobretudo, potenciar capacidades de aprendizagem através do gosto pelas atividades promovidas, sendo que estas podem ser desenvolvidas em família, facilitando a integração e as relações interpessoais. 
    - Oficina de Expressão Plástica pretende através do brincar/explorar dotar os participantes de conhecimentos, de forma a estimular a criação de objetos, proporcionando aos participantes a exploração do seu gesto criativo, através de propostas plásticas e técnicas que a formador implementará.
     
  • "Traz um Amigo Contigo" (Projeto nº 430/2016)
    Confinanciado por: Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. em 2016

    Objetivos do projeto:
    - Dar a oportunidade a crianças e jovens (dos 6 aos 16 anos) com Perturbações do Espetro do Autismo (PEA) e seus familiares de participarem num espaço de estimulação musical e experimentar diversas atividades de psicomotricidade. 
    - A Oficina de Música está estruturada de forma a estimular os conceitos rítmicos, melódicos e harmónicos, de nível elementar, com incidência na capacidade sensório motora/ coordenativa e algumas técnicas de controle e manutenção comportamental fundamentais, para se efetuar uma melhor interação entre os participantes. Será apresentada um trabalho desenvolvido com o grupo ao longo das sessões. Pretende ainda este projeto incentivar uma melhor e mais eficaz inclusão social, promovendo momentos de aprendizagem e partilha entre os participantes, técnicos e comunidade envolvente.
    - A Oficina de Psicomotricidade tem como finalidade favorecer o desenvolvimento global do participante, através de atividades lúdicas, que envolvem o movimento e o jogo corporal. A psicomotricidade assume-se assim como uma resposta essencial na intervenção com pessoas com PEA, contribuindo para o desenvolvimento do domínio do próprio corpo, principal agente no atual mundo de interações constantes. Nas dinâmicas desenvolvidas serão usadas estratégias e áreas de intervenção específicas entre as quais: o jogo, no sentido de promover a exploração motora e dos sentidos, as capacidades de pensamento e criatividade, bem como a cooperação com os pares; o desporto e condição física, para potenciar a coordenação e manipulação de objetos em movimento, assim como, competências socias em jogos coletivos e ainda favorecer a saúde e bem-estar do participante; as terapias expressivas, com atividades rítmicas e de expressão corporal; as terapias assistidas por animais, usando o cão como fator motivacional para a interação e participação; e por fim, a relaxação, possibilitando a tomada de consciência do corpo e o retorno à calma
     
  • "Aprender na Escola Inclusiva"
    Financiado por: Fundação Calouste Gulbenkian / Promovido por: Centro Educatis

    Objetivos do projeto:
    - Criar espaços e tempos de reflexão e de formação na perspetiva dos princípios éticos e dos conhecimentos científicos que sustentam a escola inclusiva - acções formativas em modalidades diferenciadas que abranjam as diversas problemáticas da Educação, focando-nos na aprendizagem dos alunos com NEE, na identificação das suas dificuldades específicas e nas estratégias de intervenção para colmatar essas mesmas dificuldades. |
    - Estas iniciativas (Oficinas de formação, Cursos de formação, Ações de Curta Duração, Seminário) destinam-se aos professores dos grupos de recrutamento 910, 920 e 930 integrados nas Escolas de Referência e nas Unidades de Ensino Estruturado existentes nos cinco Agrupamentos associados ao Centro Educatis.

2015

"Inclusão"
Confinanciado por: Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. em 2015
Parceiro: FPDA – Federação Portuguesa de Autismo

Objetivos do projeto:
- Realização de oficinas de música, coordenadas e dinamizadas por um professor de música. As oficinas terão a participação de crianças com e sem Perturbações do Espectro do Autismo (PEA) pais e outros familiares. 
- Terão lugar na sala de música nas instalações da APPDA-lisboa. A implementação e desenvolvimento deste projeto , tem como objetivo, o desenvolvimento e a compreensão das competências musicais, cognitivas, comportamentais e coordenativas de forma a proporcionar momentos de realização musical e social. 

2014

" Plataforma Inclusão "
Confinanciado por: Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. em 2014

Objectivos do projeto:
- Criar uma Plataforma Inclusão inovadora com uma dinâmica própria que será um "motor de busca" para jovens e famílias.
- Constituir uma base de dados de meios e recursos para a inclusão, partilhando boas práticas de projetos inovadores e inclusivos.
- Capacitar os jovens c/ PEA para desempenhar tarefas em várias áreas.
- Aproximar os jovens c/ PEA das empresas, organizações socio-recreativas, culturais e desportivas. 
- Explorar competências e interesses particulares dos jovens com PEA por meio de oficinas de desenvolvimento de competências.
-  As oficinas poderão abranger as artes, o desporto, a culinária ou simplesmente o desenvolvimento da autonomia e serão adaptadas aos vários níveis etários. Funcionarão também como centros de recursos. 
- Ligar a plataforma a redes sociais e sites de interessados o que lhe dará sustentabilidade. 

2013

  • " Autismo-Inclusão e Capacitação "
    Confinanciado por: Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. em 2013
    Parceiro: FPDA – Federação Portuguesa de Autismo

    Objectivos do projeto:
    - Realizar ateliers de capacitação, interação e inclusão no âmbito da música e expressão corporal, tecelagem e desporto adaptado. 
    - A realização destes ateliers visa a divulgação de conhecimentos e práticas desenvolvidas por pessoas com Perturbações do Espectro do Autismo (PEA) junto dos elementos participantes e comunidade envolvente. 
    - Valorizar a imagem da pessoa com PEA, promover positivamente a sua inclusão social, melhorar a sua auto estima e consequente melhoria da qualidade de vida. 
     
  • "HortAutismo - AjudInsere"
    Confinanciado por: Prémio BPI Capacitar 2013
     
  • Objectivos do projeto:
    - Construção de uma nova estufa 
    - Fomentar o desenvolvimento de novas práticas agrícolas na instituição, proporcionando melhores hábitos alimentares e melhor qualidade de vida e saúde. 
    - Proporcionar a este tipo de população o desempenho uma actividade ligada ao meio ambiente despertando-lhes o interesse para o cultivo da horta e processo de germinação, estimulando a noção/percepção de alimento semeado , cultivado e colhido. Outro dos aspectos inovadores prende-se com o facto de os utentes e parceiros demonstrarem compromisso e muita responsabilidade em todas as tarefas desenvolvidas na estufa, selecção das espécies a serem cultivadas, plantio, rega e colheita.
    - A implementação e desenvolvimento deste projeto permite ainda a existência de um espaço onde as Pessoas com PEA – Perturbações do Desenvolvimento e Autismo poderão partilhar experiências com a comunidade envolvente em geral e em particular com população da 3ªidade e crianças das escolas da área.
Horta em estufa

2013-2018

EBELa
Projecto da Linha de Investigação de Excelência, Área Científica A Mente Humana e sua Complexidade (Linguística), financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia

O objectivo do projecto EBELa foi estudar o desenvolvimento inicial da linguagem, através da forma como os bebés percepcionam os sons da língua e recorrendo a metodologias inovadoras (registo do movimentos dos olhos e potenciais evocados, a par de questionários parentais). Pretendia-se identificar sinais precoces de como seria o desenvolvimento da linguagem nos primeiros anos de vida. Estes sinais ajudam a perceber que tipo de desenvolvimento a criança irá apresentar, incluindo o eventual risco de perturbações da linguagem.

A APPDA Lisboa foi parceira neste projeto. Para mais informações, consulte o website do projeto.

2011-2014

Autism in Pink (Project nº 518585-LLP-1-SI-Grundtvig-GMP)
Grundtvig Multilateral Projects 
Parceiro: FPDA - Federação Portuguesa de Autismo

Projeto Multilateral Grundtvig do Programa Lifelong Learning da União Europeia no qual estiveram implicados 4 países europeus: Reino Unido (NAS - coordenador) e Portugal (FPDA), Espanha (Autismo Burgos) e Lituania (Vsi EDUKACINIAI PROJEKTAI EP). 

A principal finalidade do projeto foi contribuir para a inclusão social dos grupos vulneráveis de mulheres com perturbações do espetro do autismo e fornecer-lhes conhecimentos de base e competências no campo da sua identidade feminina, vida independente e interação social de modo a melhorarem a sua qualidade de vida de mulheres com PEA. 

Para mais informações, consulte o website do projeto.

2001-2009

 

Ajudautismo
Parceiros:  Direção Regional de Educação de Lisboa (DREL, Ministério da Educação, Programa Ser Criança) e Laboratório de Genética da Faculdade de Medicina de Lisboa

Objectivos do projeto:
Criado e desenvolvido com o objetivo principal de contribuir para a inclusão escolar e social das crianças com PEA, o projeto AJUDAUTISMO iniciou com uma equipa multidisciplinar, constituída por 5 elementos, que procedeu ao levantamento, e à avaliação multidisciplinar, das crianças com diagnóstico de PEA, dos 3 aos 12 anos, na região de Lisboa e Vale do Tejo. Selecionadas 20 crianças e suas famílias a equipa da APPDA-Lisboa foi para o terreno em 2002 com três focos principais de intervenção: apoiar as crianças e suas famílias; apoiar as estruturas educativas de ensino regular e especial e sensibilizar e envolver a comunidade em geral. 

A intervenção com as famílias assumiu um papel de extrema importância ao longo do projeto. Garantir o seu apoio na vertente bio-psico-social e dinamizar a sua formação foram os principais focos de intervenção. A colaboração com a APPDA-Lisboa trouxe também outros ganhos para as famílias envolvidas nomeadamente no que respeita ao desenvolvimento do espírito associativo, formação de grupos de trabalho e sinergias com outros projetos no âmbito da APPDA-Lisboa (Brinca Comigo).

A estreita colaboração entre as estruturas educativas e a APPDA-Lisboa produziu reflexos importantes na vida dos alunos com PEA. O projeto AJUDAUTISMO procurou alargar e melhorar a qualidade das respostas educativas recebida por estes alunos através da formação e da retaguarda técnica, dos corpos docentes e não docentes, e do enriquecimento das mesmas com recursos e metodologias específicas e adequadas à problemática.

O projeto teve ainda um papel bastante ativo na comunidade em geral por intermédio da sensibilização da população para a problemática e para a situação de risco das crianças com PEA e suas famílias.

Tendo a APPDA-Lisboa visto os seus projetos futuros aprovados pela DREL, o  AJUDAUTISMO manteve-se, até 2009, continuando a prestar um apoio especializado, atempado e sistematizado às crianças com PEA. Tendo por base o mesmo paradigma,  o projeto sofreu, a cada ano letivo, frequentes atualizações quer na equipa quer na sua dinâmica de trabalho para corresponder adequadamente ao número crescentes de crianças e famílias apoiadas e às novas e desafiadoras necessidades das estruturas educativas. 

Em 2009 a equipa da APPDA-Lisboa foi formalmente constituída como Centro de Recursos para a Inclusão.